http://i8.photobucket.com/albums/a26/monicaleal/sap.jpg anascente: Setembro 2005

quinta-feira, setembro 15, 2005

Crianças com Fome

Hoje estava eu muito confortavelmente sentada na minha cadeira, diante de um bom computador, num ambiente climatizado, quando encontrei um vídeo sobre as crianças que passam fome e que estão sub nutridas.

Há uns anos eu não conseguia compreender ente tipo de desníveis que existem no mundo. O porque das fomes, das guerras, do sofrimento, das doenças, enfim.
Uma criança nascer já com imensos problemas, fazia-me perguntar, que mal fez aquela criança que ainda agora nasceu e já trás tanto sofrimento.
O que me ensinaram na catequese e provavelmente a todos nós, é que vivemos num mundo que nos castiga quando não somos bons e cometemos más acções.
E então eu perguntava-me, como pode esta criança estar a sofrer se não teve tempo de pecar?

Quando li o livro conversas com Deus, consegui perceber um pouco a lógica do mundo, que muitas das vezes é tão diferente da nossa.
Tudo o que acontece tem um motivo, existe um equilíbrio entre o ying e yang.
Tudo o que acontece é com o consentimento de alguém, de um governo, de uma nação, de uma cultura.
Porque tudo o que existe e como existe é criado por nós, é responsabilidade nossa.
Teria Hitler feito, tudo o que fez sozinho?
Claro que não.

Compreender um pouco mais do que acontece, faz-nos ser mais tolerantes, ajuda-nos a compreender melhor a vida, as pessoas e a aceitar no nosso coração sem revolta.
Mas saber que faz parte, não significa que não doa ou que fique imune, não significa que deva ficar de braços cruzados.
O que senti depois de ver tudo aquilo era que queria correr para lá e cuidar de todas as crianças e salva-las a todas. Como se tudo isto fosse assim tão fácil.

Mas e se nós fossemos uma daquelas crianças?
Não íamos vibrar ao ver alguém de braços abertos para nós com um sorriso amigo a nos dar colo, amor, compreensão?

Todos nós, aqui ou lá, merecemos ser amados, aceites e alimentados no corpo e na alma.
O que podemos fazer então para ajudar estes nossos irmãos?

sexta-feira, setembro 02, 2005

Envelhecer na Paz

Às vezes tenho pressa de envelhecer.
Não é que eu queira ser velha, ter rugas e tudo o que deve de acompanhar esse processo.

Gosto de imaginar é que já passei pela vida, pelas escolhas, pelas lutas, pelas aventuras, pelos perigos e então do fim desse caminho, que olho para trás com uma sensação de descanso, tranquilidade e plenitude.
Que todas estas opções da vida já foram tomadas.
Que olho para trás para a minha vida como se estivesse a ver um filme, sentir todas as emoções sem a pressão do directo, sem a pressão das consequências.
Contemplando apenas a obra, agora acabada e livre.

Sigo na rua os idosos com o olhar e tento captar esse momento, essa paz.
Finalmente o silêncio!